Social Media

O hashtag, o cardinal, ainda consegue passar sem ele?

15 Jul , 2013  

20130716-001926.jpg

O hashtag (#), o “cardinal” que sempre foi esquecido e nunca se utilizou no teclado do telemóvel e, muitos perguntavam para que servia, tornou-se num dos símbolos mais utilizados das redes sociais. Com o “cardinal” precedido de uma palavra ou tema transforma-se numa classificação de conteúdo, essencial para as marcas e para os conteúdos nos motores de busca das redes sociais.

Este símbolo começou a ser útil para comerciantes e profissionais de social media, mas também para os utilizadores que começaram a sentir que ao recorrerem ao hashtag (#) começaram a ter acesso a muito mais conteúdo e a divulgá-lo com um maior retorno.

De acordo com um estudo recente da RadiumOne, 3 em cada 4 redes sociais inclui o hashtag nas suas publicações. De acordo com os resultados, 70 % são mulheres. Ainda não sendo uma tendência nos jovens, 44% dos utilizadores de meia idade admitiu ter usado esta forma de etiqueta de conteúdo.

O símbolo hashtag ou o cardinal, embora não fosse criado pelo micro blogue Twitter, começou a emergir pela iniciativa dos tweeters, que começaram a usá-los como forma de destacar conteúdo interessante das suas mensagens. Desde então, tem sido utilizado pelo Pinterest, Instagram e, há bem pouco tempo iniciou-se no Facebook. Se pesquisar no Facebook #redessociais, já pode ter acesso aos conteúdos do Blogue MEDIASSOCIAIS.

Do estudo, ficamos a saber que 42% da amostra da pesquisa reconhecem que clicaram já num hashtag para descobrir o conteúdo relacionado. 25% estão a usar nas suas próprias mensagens e partilhas. 18% afirmam incluir nos seus tweets que são enviadas para outras pessoas ou marcas.

O hashtag pode ser utilizado para trabalhar a promoção de uma marca ou de uma comunidade, no caso de ações de marketing e comunicação através das redes sociais.
Já é inegável a sua capacidade para gerar valor à marca. As campanhas publicitárias offline já começam a incentivar o seu público a lançar mensagens e comentários ou propostas acompanhadas de um hashtag.

Os hashtags são aliados da marca e conseguem anular uma má reputação.

A crescente utilização dos populares hashtags no Twitter tornou-se uma tendência entre os milhões de utilizadores e organizações que navegam nesta rede social, em busca de informações, tendências e notoriedade.

Para algumas empresas, os hashtags ajudaram aumentar a presença das suas marcas nas web e até mesmo a levá-las para meios que até agora não tinham explorado, como por exemplo o mundo do Twitter e de outras redes sociais. Experimente a fazer uma pesquisa no Twitter a uma marca conhecida… No entanto, os hashtags podem não ser a ferramenta mais prudente para conquistar os seguidores e reforçar a marca em termos de imagem.
A má reputação e as constantes deficiências na qualidade dos produtos e serviços oferecidos por uma empresa, são sombras que permanecem independentemente do meio de comunicação usado.

Ladrões de #hashtags e a apropriação indevida

A sua grande influência e poder, tem levado a que muitos utilizem nomes e temas para alcançar grandes resultados com pouco esforço, é uma prática que remonta aos tempos antigos e que sempre teve adeptos e detractores.

Como é evidente, esta forma menos correcta de atingir resultados, também já chegou ao Twitter, onde muitos, de forma habilidosa dão relevância às suas mensagens utilizando hashtags mais populares que nada têm a ver com o conteúdo publicado. Já se dá o nome de “hashjacking”.

O “hashjacking” consiste em fazer o uso inadequado de hashtags de maior impacto no Twitter, Instagram, e Pinterest de modo a que o conteúdo seja incluído junto dos hashtags mais relevantes, sem ter nada a ver com a hashtag que o acompanha.

Os hashtags são muito mais relevantes

Todos sabemos que, quando um hashtag é partilhado muitas vezes pode tornar-se num “Trending Topic”. Da mesma forma que, se queremos fazer uma ampla divulgação do conteúdo, temos de tentar atingir o máximo de pessoas possível, para que consigamos participantes desse hashtag. Ou seja, pretende-se que um grande número de utilizadores compartilhe com os seguidores a hashtag, para sair do online e chegar à realidade, ou comprar produtos e serviços da marca.

Para isto precisamos de tornar a hashtag verdadeira e fazê-la acompanhar de conteúdo relevante que traga reputação à marca e, desta forma, será muito mais fácil para os utilizadores partilhar e espalhar a hashtag nas redes sociais tornando-a viral.

Fundador do Blogue MediasSociais – a nova tendência, experiência em Jornalismo, Formação em Comunicação Empresarial e Pós-Graduação em Marketing & Banking Social Media no ISGB. Autor dos eBook’s Toolkit de Social Media Marketing e Pensar Social Media.

, , , , , , ,


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *