News & Culture

Poesia e Vinho: Uma Nova Tendência da Noite

26 Dez , 2015  

Tudo começou no Porto, mas em Lisboa também já se pode sair à noite para ouvir poesia. Para começar o ano 2016 de uma forma diferente, vamos sugerir alguns espaços fabulosos. São já muitos os bares que oferecem esta nova forma de saborear a vida noctívaga cidade. Nos recantos da cidade, a noite invade os nossos corações com poesia regada de um bom vinho tinto. A não perder! 

Sair à noite para ouvir fado já não é a única opção das noites lisboetas. Agora existe um fenómeno emergente da vida noturna das cidades do Porto e Lisboa. Ouvir Poesia na noite.

Se pensou que os bares são maçudos e chatos, vai ter uma alegre surpresa! A poesia tornou-se divertida, comovente e as melodias da noite envolvem-nos no bom copo de vinho tinto.

Há mais de vinte anos que estes bares existem no Porto em bares como o Pinguim, o Piolho ou as Quintas das Leituras no Teatro do Campo Alegre. Agora, em Lisboa, podemos deliciar-nos com a poesia no bar do Teatro da Barraca, todas as quintas-feiras, pelas 22h00, há uma sessão de leituras de poesia: é a Poesia às Quintas. Miguel Martins é o anfitrião mas há sempre um convidado e, por vezes, um músico.

A semana no Cais do Sodré “O Povo” não começa sem uma noite de poesia. Todas as segundas-feiras às 22h00, há uma sessão temática de poesia. As noites ganharam o nome de Poetas do Povo e são organizadas pelo músico Alex Cortez (ex-Rádio Macau)

As sessões de poesia na Sagrada Família (Alfama) começaram neste local quando se mudou para a Rua dos Remédios, em Alfama. A conduzir estas noites por onde passam sobretudo poetas portugueses, como Mário Henrique Leiria, Cesariny e Alexandre O’Neill, está o músico e poeta Tiago Gomes. Acontecem duas vezes por mês, sempre à terça-feira.

Tiago Gomes no Pratinho Feio, no bairro Alto assegura também as novas noites de poesia no Bairro Alto. Acontecem uma vez por mês no restaurante Pratinho Feio, pelas 21.30.

Descendo a Calçada do Combro e entrando no Irreal – Poço dos Negros é um bar muito de experiências. Pequeno e charmoso, parece feito à medida para sessões de poesia ao fim da tarde. O poeta e editor Nuno Moura, apresenta-se duas vezes por mês, sempre às quintas. O poeta António Poppe assegura a poesia duas quartas-feiras por mês.

A Taberna Galegas no cais do Sodré no nº 7 da travessa da Ribeira Nova, acolhe o projeto Galegas 7 da autoria do escritor Valério Romão e de Marta Raquel Fonseca. Leem-se textos em prosa de poetas e de não poetas. Cada sessão tem um ou mais convidados para fazer as leituras. Pelas 19h00, duas terças-feiras por mês.

Como dizia Lorca “A poesia não quer adeptos, quer amantes.” e irá continuar a gerar diferentes leituras, sem nunca se consumir de todo e as novas gerações parecem que sabem o que é poesia.

Fundador do Blogue MediasSociais – a nova tendência, experiência em Jornalismo, Formação em Comunicação Empresarial e Pós-Graduação em Marketing & Banking Social Media no ISGB. Autor dos eBook’s Toolkit de Social Media Marketing e Pensar Social Media.

, , , ,


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *