Marketing Digital

Grande Futuro no Marketing Digital

3 Jan , 2016  

Grande Futuro no Marketing Digital para o ano 2016. A verdade é que todos nós gostaríamos de ter uma poção mágica para adivinharmos o que nos vai trazer o novo ano… Sim, há necessidade de saber quais as tendências e como devemos atuar para posicionar a nossa empresa de forma destacada no mercado. 

Talvez seja possível adivinhar, mas torna-se difícil sem estudos prever de forma mais ou menos acertada o que esperam as marcas num futuro próximo. Nesta altura do ano surgem as previsões dos analistas bem cotados das principais revistas da especialidade para nos dizer os que sucederá no futuro. Estamos já no 1.º trimestre do ano 2016… e há necessidade de saber o que nos espera o ano novo. A Forbes, foi uma das revistas que fez uma análise profunda e revelou algumas das tendências que vão marcar o marketing online em 2016.

A era dos anúncios de vídeo

Nos últimos meses temos vindo a aperceber-nos que o futuro vai passar o vídeo online e cada vez assiste-se a mais anúncios filmados. Esta forma de investimento tem vindo a crescer e o interesse das marcas aumentado.

O Facebook já começa a possibilitar às figuras públicas a transmissão em direto de vídeos. Se o utilizador pode falar por vídeo, é muito melhor! Não acha?

Só no Facebook, assistem-se a mais de um bilião de vídeos por dia (65% deles através de dispositivos móveis). O uso e produção de vídeos cresceu de forma exponencial nos últimos anos e as empresas já começam a ver resultados.

Com a análise da Forbes os anúncios de vídeo vão ter um novo momento. Segundo o Google, os consumidores estão mais recetivo a este tipo de anúncios, por isso vamos esperar do Google Adsense mais vídeos em 2016 sem recurso a flash.

Assistentes digitais como o SIRI podem ser reveladores da sua marca

Os assistentes dos dispositivos móveis tornam-se auxiliares dos consumidores na localização que qualquer necessidade. O Siri, Google Now ou a Cortana são três dos exemplos mais populares, mas os utilizadores também começam a utilizar o Facebook e grupos no WhatsApp para se apoiarem em comunidade. O Facebook Messenger já possibilita saber os amigos que estão mais próximos. Isso ajuda a pedir um conselho, uma opinião.

Os consumidores começam a recorrer a estes assistentes antes de tomar decisões de consumo.

Pergunte a estes aplicativos qual o melhor restaurante nas proximidades, por exemplo? O Assistente dará, sem dúvidas e ou hesitações, a sugestão do restaurante mais classificado online.

As marcas devem estar cientes disto e serão forçadas a otimizar a sua presença na web para serem descobertas e recomendadas. Ter um bom SEO já começa a ser secundário. Há mais para além de aparecer nos motores de busca tradicionais.

A Internet of Things e o wearables merecem mais atenção

O facto de que todos os elementos da vida dos consumidores estão conectados é uma  oportunidade grande para as marcas. A tecnologia “wearable” (portátil ou vestível) verá uma taxa de adoção de 28% para o ano 2016. Isto significa que haverá muito mais informação que o marketing poderá analisar. Muitas empresas e marcas já confiam na eficácia dos anúncios do Facebook e Google. Esta publicidade é baseada nas ações digitais dos utilizadores. Está a caminhar-se a passos largos para que os anúncios sejam segmentados de acordo com as atividade diárias online de cada utilizador.  Será para breve?

Publicidade será mais cara

Em 2016, a publicidade será muito mais cara do que em 2015, especialmente na internet. Os preços da publicidade tem vindo a aumentar nos últimos anos e como o mercado se tornou mais complexo, os preços continuam a diferenciá-la.

Qualquer que seja a sua estratégia, tem de pensar numa estratégia multicanal

A empresa Cisco prevê que para 2020 haverá 50 biliões de dispositivos conectados na Internet. Isto é 7 vezes a população da terra. As pessoas estão a utilizar o computador para trabalhar enquanto ao mesmo tempo verificam as redes sociais no smartphone, como utilizam um tablet para fazer compras.

Realidade virtual

A tecnologia de realidade virtual, como Oculus Rift, terá inevitavelmente um enorme impacto na maneira como os profissional de marketing envolverão os consumidores em 2016.

Uma das coisas mais importantes em marketing, especialmente para os Millennials, é a personalização. Com a capacidade de contar histórias imersivas, as empresas poderão envolver-se desta vez mais, como nunca antes. A realidade virtual começa a ser cada vez mais real.

As empresas que não fornecerem uma experiência virtual e online aos clientes,  terão queda nas vendas. A adoção da realidade virtual a partir de 2016 ocasionará, sem dúvida, mudança na ideologia de marketing.

O móvel passa definitivamente a “primeiro ecrã” para se aceder a informação digital

Os dispositivos móveis eram chamados “o segunda ecrã”, mas isto está a mudar. O móvel tornou-se o primeiro ecrã para a maioria dos utilizadores. Basta ver que 75% das entradas no Facebook provem da publicidade móvel e é evidente que os smartphones são o centro da atenção. O dispositivo móvel é o primeiro contacto que muitos potenciais clientes têm com as marcas.

O Google já não será o único motor de busca de peso

O Facebook está trabalhar no seu próprio motor de busca, parece inevitável que as pesquisas irão para além do Google, Bing e Yahoo.

Sites como o Facebook, Twitter e YouTube já são grandes fontes de informação, que têm capacidades avançadas de busca, métodos de pagamento integrados, onde consumidores podem realizar compras, conversar com os seus amigos e partilhar opiniões. Com esta pesquisa avançada, virá uma experiência social mais integrada, que se vai expandir com o comércio online.

Fundador do Blogue MediasSociais – a nova tendência, experiência em Jornalismo, Formação em Comunicação Empresarial e Pós-Graduação em Marketing & Banking Social Media no ISGB. Autor dos eBook’s Toolkit de Social Media Marketing e Pensar Social Media.

, , , ,


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *